top of page
  • Foto do escritorMariléia Sell

O triunfo da mediocridade

Em um franco movimento de desvalorização da intelectualidade pelo governo brasileiro, vemos, na contramão do progresso da humanidade, triunfarem as mediocridades. Na esteira da tragédia, temos um ministro da educação que, além de não ser professor e de não ter sido, tampouco, aluno notável, sangra as universidades públicas com um corte de 30% das verbas, convergindo com a ideia de que se produz muito conhecimento inútil, sem retornos concretos aos contribuintes, como é o caso das ciências humanas, notadamente a sociologia e a filosofia. Precisamos mesmo é de um povo que saiba ler, escrever, fazer cálculos e estar empregável, nada de fazer balbúrdias em universidades públicas. Precisamos também vigiar os professores e as professoras, com licença para filmar suas ações doutrinárias em sala de aula.


Arte: Daniel Cunha

Temos, também, um ministro do meio ambiente que é contra leis de proteção ambiental. Um ministro das relações exteriores que odeia os vizinhos latinos. Uma ministra da agricultura que aprova o uso desenfreado de agrotóxicos. Uma ministra dos direitos humanos que é contra os humanos ‘não direitos’, incluindo aqui toda a comunidade LGBTQ e as mulheres que não performam as identidades de gênero validadas pelas sagradas escrituras. Um ministro da justiça que prega a licença para matar, além de, é claro, aplicar uma justiça caolha, encabeçando uma cruzada patética contra a corrupção que só é válida para o telhado do vizinho. Um ministro da economia que quer fazer economia às custas dos trabalhadores para economizar bilhões para os ricos.

Mas, como a imoralidade parece ter perdido de vez a vergonha na cara, temos ainda o fato de o presidente da república brasileira ter concedido a mais distinta condecoração do Itamaraty, a Ordem Nacional de Rio Branco, aos seus filhos Flávio e Eduardo Bolsonaro. Também a concedeu ao guru da família, Olavo de Carvalho. Essa condecoração é atribuída a personalidades pelos seus serviços à nação ou por seus méritos excepcionais. A premiação palaciana representa uma inversão quixotesca da ordem das coisas, pois celebra a estupidez e humilha a quem, de fato, contribui para o progresso do país, como é o caso dos professores e dos cientistas.

Em uma postagem da UFCSPA, de Porto Alegre, sobre os cortes das verbas e os impactos dessa decisão daqui pra frente, uma ex-aluna se posicionou favorável às medidas porque, segundo ela, as salas de aula não precisam de ar condicionado e os pátios podem muito bem viver sem jardinagem. Ela considera um desperdício do dinheiro público investir em ambientes agradáveis e belos nas instituições de ensino. Ela não enxerga como a estética pode contribuir para a educação. Para ela, os prédios devem ofertar ambientes austeros e econômicos. Fico pensando se para essa cidadã a mesma lógica se aplicaria aos bancos, mesmo aos públicos, por exemplo. Será que ela questionaria o ar condicionado, a mesa com tampo de mármore, a cadeira estofada, a melhor internet e o guarda na porta de uma instituição financeira? Dificilmente. É por que a educação sempre foi a prima pobre, aquela que precisa mendigar recursos porque, afinal, a sua utilidade é sempre tão questionável, tão abstrata, tão inalcançável e, quase sempre, tão indesejável.

Não é à toa que é na educação que esse governo quer fazer economia. Não é à toa que os professores são alçados ao status de inimigos da nação. Por mais que a estupidez seja homenageada, este governo não é ignorante ao ponto de negligenciar o poder da educação. Esse governo sabe que só a educação pode livrar um país de governantes como eles. Enquanto triunfam as nulidades, como diria Rui Barbosa, a descrença no futuro só aumenta, como aumenta, também, a apatia coletiva. E é assim, exatamente assim, que o mal se instala, de deforma insidiosa, capilarizada e subterrânea.

211 visualizações10 comentários

Posts recentes

Ver tudo

10 commentaires


Ana Laura B Jum
Ana Laura B Jum
04 nov. 2019

Muito bom! Seu texto está bem escrito. Os fatos que são colocados no texto apresentam justificativas muito bem elaboradas. As informações postas, estão apenas com o papel de criticar o atual governo. Nem se quer, há algum ponto positivo obtido, e também, a exposição da certeza de que todos estes movimentos que prejudicam a população, tiveram iniciativas tomadas apenas agora. Já que as informações sobre o assunto tratado, aparentam estar dominadas pelas pessoas. Penso que se for demonstrado ambos os lados para que fique esclarecido quais são as ideias e objetivos a serem alcançados, assim, irá enriquecer e dará mais credibilidade ao seu texto.

J'aime

bolinham98
bolinham98
04 nov. 2019

Ótimo texto e muito bem escrito,mas na minha opinião um pouco difícil de entender concordo com tudo, os cortes realmente afetam aos alunos professores e os trabalhadores, realmente para as pessoas entenderem o lado dela temos que ter o habito da leitura, para melhorar nosso país as pessoas devem ler e querer saber um pouco mais sobre a política, e ser contra alguns ministros e ministras em geral, não devemos concordar com todas as opiniões só porque a pessoa é superior a você, e as pessoas não podem dizer que em uma faculdade ou escola não precisam de ar condicionado, ou pátios com jardins. Parabéns pelo texto!!

J'aime

Lucas C
Lucas C
04 nov. 2019

Muito bom! Gostei bastante da opinião apresentada, porém acho que se fosse mostrado ambos os lados acabaria por beneficiar ainda mais o texto.

J'aime

Lucas
Lucas
04 nov. 2019

Ótimo texto! Expressa a situação do nosso país, do governo, porém precisamos concordar que o Brasil precisa de mudanças. O texto poderia mostrar o lado bom dessa mudança, assim apresentando não apenas críticas.

J'aime

Augusto Carrer Herpich
Augusto Carrer Herpich
04 nov. 2019

Achei o texto muito bem escrito, porém acho que o fato do texto apresentar apenas pontos negativos do atual governo, acaba tirando um pouco da credibilidade, mesmo que os fatos sejam parcialmente verdadeiros, talvez mostrar o lado bom da coisa, como o possível aumento do PIB e a diminuição do desemprego, possa tornar seu texto mais claro e menos polarizado.

J'aime
bottom of page